Todo o histórico da crise no Sporting e acontecimentos desde a derrota na Madeira

13 de maio: Derrota frente ao Marítimo

O Sporting fecha a época com uma derrota (2-1) frente ao Marítimo. Um erro de Rui Patrício tirou todas as esperanças aos leões. Com este resultado, o Sporting termina o campeonato na terceira posição, perdendo a luta com o Benfica pelo segundo lugar.

14 de maio: Suspensão (não confirmada) de Jorge Jesus
A equipa técnica do Sporting, liderada por Jorge Jesus, reúne-se com a administração da SAD para discutir a actualidade do clube, na sequência do resultado do jogo na Madeira.
15 de maio: Suspeitas de corrupção e agressões em Alcochete
O Ministério Público investiga um alegado esquema de corrupção ligado ao Sporting. Em causa estão jogos do Campeonato de Andebol da época passada, ganho pelos leões. Há suspeitas de que alguns árbitros terão aceitado dinheiro para beneficiar o Sporting. No mesmo dia, o clube reage, repudiando as alegações. Mais tarde, abre um processo de inquérito ao funcionário do gabinete de apoio ao atleta Gonçalo Rodrigues, por, alegadamente, estar envolvido no esquema de favorecimento.

Os leões anunciam que Jorge Jesus vai orientar a equipa na final da Taça de Portugal, domingo, no Jamor.
Cerca de 50 encapuzados invadem a Academia do Sporting, em Alcochete, e agridem jogadores e treinadores. O episódio de violência é repudiado não só no futebol, mas nas várias esferas da sociedade portuguesa. O presidente dos Sindicato dos Jogadores Profissionais de Futebol, Joaquim Evangelista, acusa o clube de não ter sabido "garantir as condições de segurança". Os agredidos apresentam queixa na GNR do Montijo. Vinte e três pessoas são detidas.O presidente da Mesa da Assembleia Geral do Sporting, Jaime Marta Soares, assegura que nenhum futebolista manifestou vontade de sair do clube após as agressões. O mesmo responsável convoca os órgãos sociais para analisar a situação.



16 de maio: Director do futebol detido e final da Taça à porta fechada em cima da mesa

Centenas de adeptos leoninos concentram-se junto ao Estádio José Alvalade, em Lisboa, onde entoam cânticos de apoio ao Sporting, condenando os atos violentos ocorridos na Academia do clube. A Juventude Leonina rejeita responsabilidades nos acontecimentos de Alcochete.O Sporting é denunciado por corrupção no futebol. Paulo Silva, alegado corruptor, apresenta a participação no Ministério Público. Garante ter comprado futebolistas e árbitros de andebol.

A Polícia Judiciária faz buscas na SAD do Sporting Clube de Portugal, em Alvalade, e na casa do empresário que denunciou a alegada corrupção de árbitros no campeonato de Andebol. O diretor de futebol, André Geraldes, é detido juntamente com João Gonçalves, empresário e interlocutor no alegado esquema de corrupção; Gonçalo Rodrigues, do Gabinete de Apoio ao Atleta e Modalidades Profissionais do Sporting; e Paulo Silva.
Os 23 adeptos suspeitos das agressões em Alcochete são presentes em tribunal e são identificados. O Ministério Público informa que os indivíduos são suspeitos de práticas que podem configurar crimes de sequestro, ameaça agravada, ofensa à integridade física qualificada e terrorismo, entre outros.
O treino da equipa principal na Academia é cancelado. Há novo treino previsto para dia dia 18, no Jamor, com policiamento reforçado. Depois de uma reunião com o sindicato, os jogadores do Sporting decidem jogar a final da Taça de Portugal. Em caso de vitória, o clube faz saber que não quer ser recebido nos Paços do Concelho de Lisboa.O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, acusa o presidente do Sporting de ser responsável pelo ataque ocorrido no campo de treinos do clube e admite a hipótese de a final da Taça realizar-se à porta fechada. Eduardo Cabrita, ministro da Administração Interna, anuncia reforço do dispositivo policial no jogo de domingo, no Jamor.O Conselho Diretivo do Sporting e a Comissão Executiva da SAD decidem convocar, com urgência, uma assembleia-geral do clube.

Sporting denunciado por corrupção no futebol

Alegado corruptor apresentou participação no Ministério Público. Garante ter comprado futebolistas e árbitros de andebol.
Há jogadores da Liga de futebol que poderão ter sido pagos para facilitar vitórias do Sporting em jogos da época passada e do início deste campeonato. Os valores poderão ter atingido 12 500 euros. O Ministério Público está a investigar suspeitas que partiram de uma denúncia de um empresário de futebol que garante ter corrompido árbitros de andebol e jogadores de futebol a mando do clube de Alvalade. O Sporting nega qualquer esquema de corrupção.


Nas mensagens escritas (também através de WhatsApp) constam instruções de pagamentos, de encontros com árbitros e com jogadores de futebol. Outras trocas de mensagens envolvem Gonçalo Rodrigues, do Gabinete de Apoio ao Atleta e Modalidades Profissionais do Sporting, que ontem suspendeu as suas funções no clube.

O outro empresário e o elemento do Sporting serviriam de tampão entre o corruptor e André Geraldes, atual vice-presidente de Alvalade, que nega qualquer esquema de corrupção. De acordo com Paulo Silva, este dirigente seria a cabeça do esquema de corrupção que terá permitido aos leões serem campeões de andebol na época passada, além de várias vitórias em jogos de futebol.
Paulo Silva entregou ao Ministério Público mensagens em que comenta com os dois interlocutores o comportamento dos jogadores de futebol, alegadamente comprados. As instruções dadas aos atletas por Paulo Silva seriam no sentido de darem "espaço ao Bas Dost", para que este pudesse marcar golos.
Ao que apurámos, estarão a ser investigados jogos do Sporting frente ao Guimarães, Feirense, Chaves, Tondela, Aves e Estoril. Serão estas as equipas a que pertencem atletas que Paulo Silva garantiu ter abordado, dando conta, por WhatsApp, dessas diligências ao outro intermediário.
Jogador nega corrupção
O JN contactou ontem um dos jogadores referidos nas mensagens. Negou ter participado num esquema de corrupção. "Não conheço esse senhor [Paulo Silva], nunca estive com ele, nem nunca entrei em esquemas destes. Isso é pura invenção", disse o atleta do Guimarães, que participou num encontro em que o Sporting venceu por 5-0, a 19 de agosto passado.
Em relação ao campeonato de andebol, o suposto "arrependido" Paulo Silva assegurou ao Ministério Público que recebia 350 euros por cada árbitro que conseguia corromper. O clube de Alvalade também assumiria as despesas com deslocações.
Um dos jogos em que garante ter comprado a equipa de arbitragem foi o Benfica-F. C. Porto do ano passado. Uma derrota dos azuis e brancos beneficiava os leões na luta pelo título. Diz que no final do encontro terão sido pagos três mil euros à dupla de arbitragem, em Braga. Assegurou ainda ter oferecido dois mil euros a um dos árbitros que apitaram a partida entre Sporting-F. C. Porto. O árbitro terá aceitado a proposta mas, como o Sporting perdeu a partida, o dinheiro não foi entregue.
17 de maio: Bruno de Carvalho vai processar Ferro Rodrigues e é alvo de processo disciplinar

O presidente do Sporting anunciou que vai mover um processo contra o presidente da Assembleia da República, comentadores e jornalistas por o terem "difamado e caluniado", após os atos de violência em Alcochete. "Não posso aceitar que a segunda figura do Estado tenha sido mais taxativo e belicista, fazendo-me uma crítica violentíssima, não tendo a mínima noção do cargo que ocupa e da sua condição de sócio do Sporting Clube de Portugal. Será por isso um dos primeiros visados nas ações cíveis que vou mover, até pela posição relevante que ocupa na sociedade", refere Bruno de Carvalho, numa nota pessoal enviada à agência Lusa.Durante a manhã, o Conselho de Disciplina da Federação anunciou a abertura de um inquérito "tendo por base notícias relacionadas com denúncias de eventuais atos de corrupção".A Mesa da Assembleia Geral do Sporting avança com um processo disciplinar contra Bruno de Carvalho e demite-se em bloco. Marta Soares apela à demissão do presidente.O treino previsto para dia 18, no Jamor, também é cancelado.
19 de maio de 2018  Bruno de Carvalho não foi ao Jamor
"Não, não vou ao Jamor. Não acho que estejam criadas as condições para ir ao Jamor. Não mereço o que está a passar, não mereço, mas pelo Sporting, pela festa, não vou ao Jamor. Não vou com muita mágoa, pena e frustração", afirmou Bruno de Carvalho, este sábado, 19 de Maio, em conferência de imprensa, no Estádio José Alvalade, em Lisboa.O ambiente de crise no Sporting agudizou-se na terça-feira, antes do primeiro treino para a final da Taça de Portugal, quando a equipa de futebol foi atacada na Academia de Alcochete por um grupo de cerca de 50 alegados adeptos encapuzados, que agrediram técnicos e jogadores. A GNR deteve 23 dos atacantes, que foram já presentes ao juiz do Tribunal do Barreiro e que devem conhecer as medidas de coacção no domingo ou segunda-feira.Paralelamente, a Polícia Judiciária deteve na quarta-feira quatro pessoas na sequência de denúncias de alegada corrupção em jogos de andebol, incluindo o director desportivo do futebol, André Geraldes, que foi libertado sob caução e impedido de exercer funções desportivas.O cenário agravou-se com as demissões na quinta-feira da Mesa da Assembleia Geral, em bloco, e da maioria dos membros do Conselho Fiscal e Disciplinar, instando o presidente do Sporting a seguir o seu exemplo, mas Bruno de Carvalho anunciou ao fim do dia que se irá manter no cargo.

Bruno de Carvalho fala aos jornalistas em conferência de imprensa Presidente diz que agressões foram "involuntariamente" provocadas pelos jogadores


20 de Maio de 2018
Desportivo das Aves vence Sporting por 2-1 com bis de Alexandre Guedes e conquista pela primeira vez na história a Taça de Portugal. Jogadores leoninos saem a chorar entre palavras de apoio e críticas.

22 de maio de 2018   dinheiro, apreendido em notas no gabinete do ex-director para o futebol
Os 60 mil euros que foram apreendidos no gabinete de André Geraldes eram do Sporting, noticia o Correio da Manhã, citando o procurador responsável pela investigação ao caso de alegada corrupção no clube.

O dinheiro, apreendido em notas no gabinete do ex-director para o futebol, era proveniente da venda de bilhetes, designadamente os que são distribuídos às claques.

Segundo o Correio da Manhã, o esquema permitia manter um "saco azul" no clube que levava a que Geraldes dispusesse de dinheiro para pagar os subornos a árbitros de andebol e a jogadores de futebol adversários.

A investigação sobre o alegado esquema de corrupção e viciação de resultados no Sporting nas modalidades de futebol e andebol já conta com sete arguidos. Quatro deles são o director para o futebol do Sporting, André Geraldes, e os empresários Paulo Silva e João Gonçalves, além de Gonçalo Rodrigues, igualmente funcionário do clube 'leonino'.

24 De Maio

Sporting investigado pelo valor da compra de Alan Ruiz

O Sporting pagou oito milhões de euros para comprar o passe de Alan Ruiz. Mas o clube argentino que o vendeu terá recebido 3,9 milhões. Luís Borges Rodrigues, um antigo membro do conselho leonino, deu entrada com uma participação criminal.
O Departamento de Investigação e Ação Penal (DIAP) de Lisboa está a investigar uma queixa, apresentada por Luís Borges Rodrigues, advogado e ex-membro do conselho directivo do Sporting nas primeiras eleições de Bruno de Carvalho. Em causa está a compra de Alan Ruiz ao Club Atlético Colón.

Na altura o negócio foi anunciado por oito milhões de euros. Mas o clube argentino, que estava numa situação financeiramente debilitada tendo recorrido a um processo semelhante ao PER, terá registado apenas 3,9 milhões de euros com esta venda.

Em 2016, o Sporting explicou, em comunicado enviado para o regulador do mercado que, pagou 7,04 milhões de euros por 100% do passe do avançado, que recebeu uma comissão de 2,2 milhão de euros enquanto prémio de assinatura. Além deste valor, o Sporting pagou ainda uma comissão de 1 milhão de euros. A Admira Partners recebeu 700 mil euros e a Costa Aguiar Sports 300 mil.

O Correio da Manhã revela que o negócio em questão pode configurar vários crimes. Entre eles está administração danosa, peculato, apropriação ilegítima, abuso de confiança e fraude fiscal. 
 O mesmo jornal adianta que Bruno de Carvalho será o principal alvo da queixa apresentada por Luís Borges Rodrigues.

Sporting. AG a 23 de junho para destituir Bruno de Carvalho. “O dia mais triste da minha vida no Sporting”

Jaime Marta Soares quase não conseguiu falar aos jornalistas entre confusão e apupos. Bruno de Carvalho diz que é "um dos momentos mais tristes" da sua vida desde que está no Sporting.